Quem sou eu

Minha foto
Bragança Paulista, São Paulo, Brazil
Discípulo de Jesus, casado com Clélia, pai da Victória e feliz por tudo isso.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

REMINISCÊNCIAS


MEMÓRIAS DE UMA SIMPLES SAMARITANA


Era a primeira vez que eu o via.

Eu ainda o veria muito.

Mas essa, sem dúvida era a primeira vez.

Se eu já o tivesse visto, lembraria.

Um homem como ele não dá para esquecer com facilidade.

Aquele final de manhã-início de tarde se parecia com tantos outros que eu já vivera; até que eu o vi.

Eu não podia culpá-lo por estar ali.

Se alguém estava fora de contexto esse alguém era eu.

Àquela hora do dia todas as outras mulheres já haviam ido buscar água e já estavam bastante adiantadas em seus afazeres domésticos.

E eu tinha tudo ainda para fazer: limpar a casa, preparar o almoço, mandar as crianças para o colégio, lavar roupas, entre outras coisas.

E eu andava tão cansada!

Tinha que me desdobrar para fazer tudo isso em tão pouco tempo.

Dispunha de apenas metade do tempo que as outras mulheres.

Mas não, podia me queixar.

Preferia isso a ouvir o burburinho que vinha de todos os cantos quando estava presente.

Não suportava mais os risinhos das meninas que acompanhavam suas mães até aqui.

Todas as manhãs elas falavam mim, elas riam de mim.

Se já não bastasse toda a dor que carregava na alma pelos fracassos dos meu cinco casamentos.

Como se fosse pouco viver com um homem que aceitava me dar casa, comida e sexo, mas se recusava a me dar seu sobrenome.

Isso sem contar os porcos nojentos que me viam como uma meretriz e tentavam a todo custo se aproveitar de mim.

Era por isso que eu ia naquela hora.

Naquele horário a fonte sempre era um local solitário.

Era mais difícil para carregar tanta água com o sol causticante do meio-dia, mas o "custo-benefício" era bem atraente: meu corpo ficava todo arrebentado, mas em contrapartida, meu coração se acalmava.

Mas naquele dia tudo seria diferente.

Lá estava ele!

Assustei-me a princípio.

Depois o fitei longamente.

Sua aparência era a de um viajante cansado da jornada.

Havia suor em sua fronte e poeira em seus pés.

Sua boca estava esbranquiçada pela sede e sua respiração alterada pelo calor excessivo.

Carregava um cajado e um cinto cingia seus lombos.

Só não me atrevi a olhá-lo nos olhos, pois meu opróbrio me impedia de encarar qualquer homem que fosse.

Mas deveria ter feito isso, penso agora; se tivesse mirado seu olhar, veria que não se tratava de um simples camponês e com certeza teria antecipado o fim do meu sofrimento.

Quando estava resoluta a dar meia-volta e quem sabe retornar em outra oportunidade, decidi examiná-lo novamente.

Só então, passado o susto inicial, é que tomei conta que aquele estranho nada mais era que um estrangeiro.

Pior: pelo seu modo de se vestir e pela barba, com certeza era judeu!

Essa constatação me encheu de coragem, me fez estufar o peito e ir em frente.

Por dois simples motivos: 1 - Ele não conhecia minha história de vida. 2 - Por ser judeu, era pior do que eu.

Pronto.

Meu problema vespertino estava resolvido.

Aproximei-me da fonte, e sem me importar com a presença daquele intruso, comecei a encher meu cântaro, deduzindo que aquele senhor não ousaria me dirigir a palavra.

Na medida em que retirava a água, meu coração se agitava, pois pude perceber que o homem sentado à beira do poço não tirava os olhos de mim.

Um silêncio "sepulcral" reinava naquele local.

A angústia e o medo me tomavam de assalto, quando ouvi aquela voz doce e serena: "Você seria capaz de me dar um pouco de sua água para aplacar minha sede?".

Estribada em meu preconceito, dei a ele uma resposta cheia de arrogância: "Será que não deu para o senhor notar que eu sou uma mulher samaritana? Ou está esquecido que o senhor é judeu?".

Pensei que aquela reposta serviria como uma barreira entre aquele homem e eu.

Enganei-me.

Aquele sujeito estava disposto a me tirar do lugar-comum e não descansaria até conseguir.

"Se você conhecesse a bondade de Deus e quem é que está pedindo água para você; você é quem pediria e ele te daria água viva." - disse ele calmamente.

Minha paciência que já não andava muito grande, se esgotou por completo depois disso. "Escute aqui meu senhor..." - disse eu - "... eu vejo que você não está preparado para tirar água desse poço, principalmente por ser muito profundo, e vejo também que não tem sequer um copo de água, de onde vai tirar água viva?" - conclui perguntando.

Sem dar tempo para que formulasse sua resposta, logo derramei sobre ele toda a minha amargura: "Quem você pensa que é? Esse poço é uma herança de família, de onde beberam nossos antepassados em especial o patriarca Jacó. Você acha que é maior que esse homem?".

Hoje percebo que perguntas como aquela que fiz sempre brotam de corações de pessoas com um histórico de vida totalmente divorciado do conhecimento de Deus.

Somente quem tem uma subvida, quem vive chafurdando até o pescoço em um pântano nauseabundo de loucura, ou anda de braços dados com o pecado é que compara Deus a homens, como se ele não fosse o Senhor de tudo e de todos.

Essa era a minha situação.

Minhas palavras refletiam apenas o real estado da minha alma até então vazia de significado.

Apesar de minha truculência, aquele homem continuava sereno.

Seu ar de tranquilidade me dava sinais que surpresas surgiriam ainda naquela tarde.

"A água dessa fonte não é própria para matar a sede!" - falou.

E acrescentou: "Quando mencionei água viva, não me referia a esta, que por mais que você beba, sempre precisa retornar aqui para beber mais e mais, pois volta a ter sede. Eu tenho uma água que aquele que se dessedenta dela, nunca terá sede novamente. E mais: essa mesma água se fará nele uma fonte que jorra para a vida eterna".

Era uma proposta tentadora.

Confesso que me atraiu.

Era tudo que eu precisava naquela etapa da minha vida.

Imaginei como seria bom carregar em mim mesma uma fonte e não ter que voltar ao poço todos os dias.

Apesar de não ter entendido o elo entre a fonte e a tal vida eterna que mencionara, por achar irrelevante naquele instante, aceitei sua oferta: "Ok! Você me convenceu. Essa água me trará ótimos dividendos. Eu quero dela sim.".

"Que bom que aceitou." - disse.

"Então vá chamar seu marido e voltem para buscá-la." - acrescentou.

Aquele homem tocara no ponto nevrálgico da minha existência.

Por que maltratar alguém assim? Ele não poderia simplesmente me dar a água e ponto. Tinha que agir assim tão indelicadamente?

Eu pensei  em sair e trazer alguém que fingisse ser meu marido.

Pensei até em sair dali e não voltar mais.

Tinha certeza que ninguém viria atrás de mim.

Mas havia algo acontecendo durante aquele encontro que me impedia de tomar qualquer atitude extrema.

E me impediu também de continuar mentindo.

"É impossível senhor. Pois não tenho marido." - disse a ele.

Admitir isso foi um duro golpe em meu orgulho.

Tive vontade de esconder minha cabeça em um buraco.

De fato, se houvesse um buraco em minha frente, teria me lançado toda dentro dele.

Esse era o tamanho da minha vergonha.

Eu esperava ouvir uma gargalhada ou uma trilha de risadas... Não ouvi.

Meu coração se preparou para uma reprimenda... Nada!

Pelo contrário, o que ouvi  foi uma palavra de elogio: "Parabéns. Eu sabia que você seria capaz de admitir essa verdade".

Fiquei confusa.

Que tipo de homem era aquele que no lugar de me execrar, me louva?

Minhas dúvidas começaram a se dissipar quando ele retomou sua fala: "Pois por cinco vezes foi casada e o homem que hoje divide a cama com você não é teu marido".

Meu alicerce começou a ruir de vez.

A base da minha construção de vida foi fortemente abalada por aquela voz que só podia ser profética.

Então me lancei aos pés daquele desconhecido, suplicando que me ajudasse em minha procura pelo Deus Verdadeiro. 
Pois já o havia buscado dentro das tradições familiares e nada de encontrá-lo.

Havia pensado em viajar até Jerusalém, local indicado pelos judeus como o centro da adoração, para ver se conseguia achá-lo.

Mas a pergunta que não queria calar ainda perturbava a minha alma: Onde está Deus?

Eu precisava Dele mais do que nunca.

Anelava por Ele.

Ansiava encontrá-Lo.

Necessitava adorá-Lo.

"Onde está Deus? O senhor, que é profeta, sabe?"

Sua resposta não poderia ter sido mais contundente: "Está chegando um novo tempo em que as tradições não vão mais ditar as regras de adoração ao Pai. Aliás, já chegou a hora em que as únicas regras para que os verdadeiros adoradores adorem  ao Deus Vivo são essas: em espírito e em verdade! Deus não se limita a pontos geográficos sejam eles montanhas ou templos. Deus é Espírito e por isso só aceita que seus filhos façam isso de forma espiritual e verdadeira."

Enquanto eu digeria essas palavras, ele me deu a chave da vida: "Pessoas com essas características estão sendo procuradas pelo Pai."

Essa revelação derrubou todas as minhas fortalezas.
Meu coração irascível e desesperadamente corrupto de desfez como "manteiga derretida" diante daquelas palavras poderosas que ecoaram dentro mim: "Deus está te procurando! Deus está te procurando! Deus está te procurando!"

Minha procura havia terminado.

Totalmente convencida daquela verdade, decidi encerrar a conversa e seguir meu caminho, certa de que quando o Messias viesse nos contaria todo o resto e nos ensinaria o caminho de Deus.

Disse isso ao peregrino e me despedi desejando-lhe boa viagem.

Virei-me para apanhar meu cântaro e partir quando ouvi sua voz da forma mais maravilhosa: "Eu sou o Cristo. Eu, que estou falando contigo!"

Meus joelhos fraquejaram e minhas mãos estremeceram; meus olhos marejaram e minha voz ficou embargada se recusando a sair.

"É ele, o Cristo de Deus! É o salvador, eu o encontrei!" - disse a mim mesma.

A beleza daquela cena ainda está gravada em minha retina.

A pureza do seu olhar e a doçura da sua voz ainda retumbam em minha alma, me fazendo descansar no Deus da minha vida.

Depois disso não pude falar logo com ele, pois um grupo de amigos seus veio ao seu encontro trazendo sua comida.

Extasiada de contentamento e de alma lavada, corri até a cidade para dar as boas-novas a todos os que encontrasse pelo caminho.

"Achei o messias - dizia eu. "Vinde e vede."

Quando o reencontrei mais tarde, ele me disse que ainda não havia tido fome, pois estava saciado pelo simples fato de estar fazendo a vontade do Pai.

Ele ficou conosco ainda por dois dias.

Não fez nenhum sinal extraordinário como costumava fazer por onde passava.

Não curou nenhum paralítico nem ressuscitou nenhum morto, mas tudo o que disse mudou nosso modo de encarar a vida e nos trouxe consolo e salvação.

Ele seguiu seu caminho juntamente com seus amigos.

A nós, restou a certeza  de que aquele peregrino é verdadeiramente o Cristo, o Salvador do mundo!



Adriano Roberto
Bragança Paulista, 30.08.2010

(Adaptado do evangelho de Jesus escrito por João capítulo 4 versículos 1 a 42)

12 comentários:

.:: Juliano Marcel ::. disse...

Graça e paz Dri! Que bela reflexão. Que forma linda descrita como uma crônica da Samaritana. Sim, minh'alma se enternece a cada momento que pela vida tenho percepções a respeito da simplicidade e amor de Jesus, como as atitudes singelas com as quais você descreveu este lindo encontro. Afinal, quando lemos tais referências, eu particularmente, me vejo em todos estes encontros de Jesus descritos nos evangelhos.

Que Deus continue a lhe dar singeleza em compreender e escrever reflexões que inundam nossa alma de esperança e fé!

Abraços!

Weslei Orlandi disse...

Deus o abençoe!
Continue escrevendo. Essa é a única maneira de se subjugar a ignorância.

gilton disse...

graça e paz!uma benção.estamos juntos.grande abraço

.:: Juliano Marcel ::. disse...

Graça e paz Dri, amigo, irmão, e muito mais!

Você sempre terá espaço neste blog, uma vez que de sua vida flui tambem as verdades cheio de graça. Assim, o privilégio é meu de postar conteúdos que acalentam e pacificam o meu ser, e se assim é comigo, creio que pode ser com outros também.

Abraços a você, sua esposa, e sua linda filhinha!

Receba meu carinho!

Juliano Marcel

Rinaldo Santana disse...

Graça e paz, pela primeira vez que visitei este blog, gostei muito e apartir de hoje vou segi-lo. Deus que o abençoe.


Rinaldo Santana

Pr. Francisco Irineu disse...

realmente é marcante o dia em que encontramos com o Senhor Jesus!
tudo muda de sentido, na verdade tudo ganha um novo sentido. oremos e entremos em ação para que mais vidas sejam impactadas com esse encontro maravilhosos com o Mestre. amém!

Pr. Francisco Irineu disse...

realmente é marcante o dia em que encontramos com o Senhor Jesus!
tudo muda de sentido, na verdade tudo ganha um novo sentido. oremos e entremos em ação para que mais vidas sejam impactadas com esse encontro maravilhosos com o Mestre. amém!

Hermes C. Fernandes disse...

Parabéns pela iniciativa e conteúdo do blog. Já estou seguindo!

Quero lhe incentivar a prosseguir com os posts, pois muitos serão beneficiados por eles.

Aproveito para lhe convidar a conhecer meu blog, e se desejar também segui-lo, será uma honra. Seus comentários também serão sempre bem-vindos.

www.hermesfernandes.com

Te espero lá!

Sandro disse...

Olá,

Passei para conhecer seu blog.
Estou seguindo e aproveito a oportunidade para lhe convidar que conheça o meu blog: O Reino em nós.
Espero que o siga também.
Mas além de seguir, peço que deixe seu comentário sobre qualquer post.

Abraços, NEle,

Sandro Duarte
http://oreinoemnos.blogspot.com/

António Jesus Batalha disse...

Obrigado irmão Adriano pelas suas palavras, também acho fantástico como apresenta a passagem da mulher Samaritana. Que nosso Deus continue a usá-lo como uma ferramenta especial.
Um bomresto de dia, e um abraço.

Sonhos De Deus disse...

A nossa alegria supera nossa tristeza, nosso consolo supera nossa dor, nossa fé supera nossa dúvida, nossa esperança supera nosso desespero, nosso entusiasmo supera nosso desânimo, nosso sucesso supera nosso fracasso, nossa coragem supera nosso medo, nossa força supera nossa fraqueza, nossa perseverança supera nossa inconstância, nossa paz supera nossa guerra, nossa luz supera nossa escuridão, nossa voz supera nosso silêncio, nossa paciência supera nossa impaciência, nosso descanso supera nosso cansaço, nosso conhecimento supera nossa ignorância, nossa sabedoria supera nossa tolice, nossa vitória supera nossa derrota, nossa ação supera nosso tédio, nosso ganho supera nossa perda, nossa resistência supera nossa fragilidade, nosso sorriso supera nosso choro, nossa gratidão supera nossa ingradidão, nossa riqueza supera nossa pobreza, nosso sonho supera nossa realidade... Nosso amor a Deus, ao próximo, à vida, nos faz superar tudo! (Pr. Edilson Ram)Uma semana de vitórias Deus é com tigo creia! TENHO UM BLOG GOSTARIA DE TI CONVIDAR SEGUIR O ENDEREÇO É:http://SNSDEUS.BLOGSPOTFICA COM NOSSO PAPAI já estou te seguindo te encontrei através de uma amiga,post teu comentario vai ser uma benção prs seguidores e visitantes uma semana com muita sorte de benção!!!

Gabriela disse...

Olá já estou seguindo seu blog gostei muito. fique na paz do Senhor Jesus. abraços
www.blogandodemadrugada.blogspot.com